Novidades

Mais de 40 PMs oficializam união em casamento coletivo

O dia também era de festa quando ele a tirou para dançar. E nem mesmo a fama de “durona”, por ser da Polícia Militar, o intimidou. “Fui tranquilo. Nessa noite rolou e estamos juntos até hoje”, conta Luiz Tancredo Espírito Santo, que a partir de hoje é o esposo de papel passado da PM Taiz Lima. Eles estão juntos desde 2009.


“Nos conhecemos na festa de formatura de uma amiga. Oito meses depois eu engravidei do nosso primeiro filho, Pedro Luiz. No ano passado nasceu Valentina para completar nossa família. Nós já tínhamos o interesse de casar, só estávamos esperando a oportunidade”, conta a soldado Taiz, que junto com Tancredo forma um dos 42 casais que celebraram a união durante o 5º Casamento Coletivo entre militares promovido pelo Departamento de Promoção Social (DPS) da PM-BA. Durante o evento, 31 policiais oficializaram o matrimônio na cerimônia foi realizada na manhã deste domingo (28), na Casa Pia dos Órfãos de São Joaquim, em Água de Meninos. 
“Muitas vezes os policiais não tem um vínculo formal e a família pode ficar desamparada. O trabalho do policial é muito duro. A nossa vida, infelizmente, é de labuta contra a violência. Por isso é tão importante criar estes espaços para que os policiais possam também celebrar o amor e renovar os seus laços”, afirma o diretor adjunto do DPS, major Antônio Basílio Honorato. 

Ainda de acordo com ele, os casais passaram por seis meses de preparação para a data, até a chegada do grande dia. “Fizemos encontros de casais, palestras, cursos e promovemos ainda conversas com terapeutas  para estimular esta reflexão sobre o casamento. A cerimônia coletiva é uma culminância de todo este trabalho”, acrescenta. O Casamento Coletivo acontece uma vez por ano. O PM que deseja oficializar a relação pode procurar o departamento, na Vila Militar. 

Sonho realizado para a comerciária Sheila Souza, agora casada com o PM Ricardo Souza. “Foi amor à primeira vista e 14 anos de relacionamento. Só faltava isso. Temos um filho de 9 anos e a família ainda é o maior motivo”.  O marido, concorda. “Nossa família está acima de tudo”, diz o PM.  

E a festa teve direito a toda pompa: tapete vermelho para o casal, daminhas e pajens, buquê de flores, bolo e marcha nupcial tocada pelo sexteto da PM-BA. Momento que vai ficar marcado nas lembranças da PM Adjaneara Costa, que depois do tão esperado sim, assina também o sobrenome Cruz, que ganhou do empresário com quem vive há 20 anos, Alberto da Cruz. “É um momento único, ímpar em nossas vidas”, afirma a noiva, que fez questão de caprichar na cauda do vestido. “Ela está linda, maravilhosa”, derrete-se Alberto. 
Pais das meninas Lavínia, de 8 anos e Letícia, de 3, Adjaneara e Alberto se conheceram quando trabalharam juntos em uma loja de eletrodomésticos e móveis. “Ela trabalhava no setor pessoal e eu na área de cobrança. Tudo começou com a gente almoçando juntos todos os dias, uma cocadinha aqui, outra ali. A empresa fechou e coincidentemente fomos trabalhar no mesmo lugar de novo. E depois trabalhamos novamente em outra instituição quando ela fez o concurso da polícia e passou”, lembra o marido da PM que define o que é necessário para manter a união por tanto tempo: “respeito e confiança é o que faz o casamento”, completa Alberto. 


*Correio da Bahia

Nenhum comentário