Novidades

Com o desemprego, aumenta o número de ambulantes em Simões Filho


Eles estão nos semáforos, nas calçadas, praças e por onde mais haja fluxo de pessoas. Sem espaço no mercado de trabalho devido à alta do desemprego, o número de trabalhadores autônomos, que inclui ambulantes, cresceu 39,3% em Simões Filho, na Região Metropolitana de Salvador (RMS), segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio Contínua (Pnad Contínua).

Os ambulantes se aglomeram nas proximidades da Câmara de Vereadores, Mercado Municipal, pontos de ônibus, calçadas do centro, onde há intensa circulação de pessoas durante o dia. Expostos em tapetes, barracas ou em caixas, os produtos variam de sandálias, roupas, lanches e brinquedos, até frutas e verduras.
A crise e o desemprego é o principal fator e fizeram as pessoas buscar alternativas no comércio alternativo para ajudar no sustento. É o caso do vendedor, Reginaldo Dias Barbosa, 30 anos, casado, pai de cinco filhos, morador do bairro Eucalipto que após enfrentar dificuldades para ter novamente um emprego de carteira assinada, encontrou um meio para sustentar sua família vendendo frutas.

A última opção que eu tive, para viver e cumprir com minhas obrigações para com minha família de forma honesta, foi de montar essa barraca. Já trabalhei como auxiliar de produção, mas hoje tudo é questão de conhecimento e estudo, o que eu não tive.O resultado não é muito bom, mas pelo menos consigo pagar contas como, água, luz e algumas dividas. Estou aqui há dois anos, inclusive já fiz clientes e amigos “, disse Reginaldo.
Região metropolitana
A Região Metropolitana de Salvador (RMS) também registrou um acréscimo no número de pessoas que trabalhavam nas ruas chegando a 75 mil. Para se ter ideia, toda a iniciativa privada da RMS emprega 1,5 milhão de trabalhadores. O aumento de pessoas trabalhando nas ruas foi de 21 mil pessoas a mais.

Trabalho e Rendimento
No último dado divulgado pelo IBGE, em 2015, o salário médio mensal em Simões Filho era de 2.5 salários mínimos. A proporção de pessoas ocupadas em relação à população total era de 27.0%. Na comparação com os outros municípios do estado, ocupava as posições 20 de 417 e 7 de 417, respectivamente. Já na comparação com cidades do país todo, ficava na posição 580 de 5570 e 715 de 5570, respectivamente. Considerando domicílios com rendimentos mensais de até meio salário mínimo por pessoa, tinha 43.2% da população nessas condições, o que o colocava na posição 383 de 417 dentre as cidades do estado e na posição 2344 de 5570 dentre as cidades do Brasil.


*Simões Filho Online

Nenhum comentário