Novidades

Homem larga namorada sem aviso e, 10 anos depois, ela vira sua chefe


Há dez anos, um homem aproveitou as férias de final de ano para largar a namorada. Os dois moravam juntos há dois anos e a moça, Sylvia, tinha viajado para passar o natal com sua família. Alex, nome fictício, aproveitou uma oferta de emprego em outro país, juntou suas coisas, saiu de casa e se mudou. Tudo isso sem avisar a namorada.
“Eu não estava pronto para me comprometer tão jovem. Nós claramente tínhamos expectativas diferentes para o relacionamento. Eu não sabia o que fazer, e bom, eu desapareci. Eu queria evitar o drama do término. Sylvia era muito emotiva e ficou obcecada com a relação, me procurou e até causou algumas brigas com meus parentes e amigos”, conta o rapaz em um fórum americano chamado Ask a Manager.
Hoje, Alex é professor de matemática em uma escola internacional. Já teve outras namoradas e Sylvia é uma “história esquecida”. Até agora. O diretor da escola teve que pedir demissão por conta de uma doença na família e a coordenação teve que contratar outra pessoa para o cargo. Alex leu a biografia, jogou a história no google e descobriu que sua nova chefe é, na verdade, Sylvia.
“Eu não sei como lidar com essa bagunça”, contou Alex. Ele pediu sugestões no fórum sobre o que fazer. Alison, a responsável pela página, afirmou não saber o que fazer, mas sugeriu que ele procure a nova chefe antes que ela assuma o cargo para que ela não se surpreenda no primeiro dia de aula, peça desculpas. Um dos comentários sugeriu que ele procurasse a área de recursos humanos da escola para saber como proceder.
Dias depois, ele enviou uma atualização ao fórum dizendo que não esperava a repercussão e que descobriu que Sylvia se casou e teve filhos. Alex enviou um email para a ex-namorada explicando a situação e foi chamado pelo RH para conversar. “Eles estavam mais preocupados com a fofoca que podia escapar do controle e o que isso podia causar para a imagem da escola. Eles consideraram necessário tomar algumas providências para evitar problemas no futuro”, contou. Os dois não poderiam conversar sozinhos, sem uma terceira pessoa presente, inclusive fora da escola. Alex achou as medidas excessivas e pediu demissão do emprego.
“Acabei sem emprego, e sem prospectos de outro trabalho nesta cidade. Obviamente, tenho que ir embora. Vou voltar para a casa dos meus pais e trabalhar como professor substituto, por meio de uma agência. Eu não estou pedindo que sintam dó de mim. Só gostaria que outras pessoas não tivessem que carregar o peso da minha imaturidade no passado”, afirmou.

*Informe Baiano

Nenhum comentário