Novidades

SIMÕES FILHO: Categoria realiza manifestação na porta da Câmara Municipal

Integrantes do Associação dos Pescadores de Simões Filho, na Região Metropolitana de Salvador (RMS), realizaram na tarde desta terça-feira (22/5), em frente a Câmara de vereadores da cidade uma manifestação pacífica para para denunciar o descaso das autoridades locais referente a situação enfrentada por diversas famílias de pescadores do distrito de Mapele. Vestidos com a camisa da associação, ao som de apitos, e com palavras de ordem, “Queremos solução”, os pescadores chamaram atenção de quem passava pelo centro da cidade na tarde de hoje.

Segundo Jorge da Pesca, presidente da Associação de Pescadores da cidade, os Trabalhadores da Pesca, resolveram se reunir para pedir providências da Prefeitura em relação as obras de instalação da Empresa Belov Engenharia, que segundo eles, está aterrando o manguezal de Mapele e deixando os moradores que dependem da pesca para sustentar suas famílias em situação difícil.

“Nós já procuramos diversas vezes a Secretaria de Meio Ambiente para falar sobre o problema causado com a instalação da Belov Engenharia. Queremos mostrar para eles que a empresa está empregando pessoas, mas está deixando desempregada os pescadores locais. As pessoas que catavam ostras, sururu, que tinha o rubálo, o camarão, hoje já não encontra nada disso, o que tem lá agora é barro, pois estão aterrando o manguezal. As mães de família estão passando fome e a empresa a cada dia crescendo. Isso é crime ambiental, e a Secretaria de Meio ambiente só nos informa que eles tem documento para realizar a obra, nós queremos saber se o documento autoriza aterrar o nosso manguezal”, explicou Jorge da Pesca.

Segundo ele, os pescadores já estiveram na Prefeitura diversas vezes para informar a situação, mas embora tenha sido recebido pelo secretário de Governo Edson da Kipão e pelo secretário de Meio Ambiente Elias Melo, nenhuma providência para o caso foi apresentada até o momento. “Já vim na prefeitura cinco vezes, ainda não conseguimos acerto nenhum com a secretaria de meio ambiente. Estamos aqui em dia de sessão na Câmara para chamar a atenção dos vereadores, para que eles despertem e entendam que o trabalho não é só aqui dentro da Câmara e sim lá fora também, nós precisamos de ajuda”, salientou ele.

Ainda segundo Jorge, a associação possui cerca de 300 famílias cadastradas em Simões Filho e todos estão passando dificuldades financeiras, devido o aterramento do mangue onde eles tiravam o sustento.


*Simões Filho Online

Nenhum comentário