Novidades

Fake News provoca linchamento de dezenas de inocentes na Índia

Nos últimos dois meses, cerca de 20 pessoas morreram por causa de linchamentos, acusadas de serem fontes de notícias fantasiosas.

Duas vítimas recentes foram o músico Nilotpal Das, 29, e seu amigo e empresário, Abhijeet Nath, 30. De acordo com o R7, eles foram confundidos com sequestradores na cidade de Guwahati. O que causou a fúria foram rumores sobre sequestros na região.

As vítimas foram arbitrariamente apontadas como sendo responsáveis pelos crimes.

Enquanto estacionavam em uma região bucólica, contemplando o rio e uma cachoeira, observando peixes, foram atacados por uma multidão armada com facões, pedras e bambus. Pelos smarthfones, as vítimas chegaram a pedir socorro, antes de morrerem.

Os linchamentos motivados pelas informações infundadas ou maliciosas não são um problema novo, mas a chegada dos smartphones a zonas mais afastadas na Índia permite uma propagação desenfreada das “fake news”.

No entanto, para que estes rumores cheguem a matar, devem se somar a tensões sociais ou políticas já existentes.

Na opinião do pesquisador Abdul Kalam Azad, o linchamento de Karbi Anglong se inscreve no contexto particular de Assam, mosaico de etnias regularmente sacudido pelos confrontos entre comunidades. As diferentes partes alimentam um “medo do outro” que semeia o terreno para a paranoia.

“Assam conhece a violência há bastante tempo. As ‘fake news’ tornam essa situação de conflito mais perigosa, mais violenta, e agora isso ficou claro”, declarou o especialista à AFP.

Whatsapp – A empresa WhatsApp, segundo a AFP, declarou estar horrorizada com essa onda de violência e publicou anúncio de página inteira nos principais jornais do país, apresentando dicas para que o público saiba diferenciar as notícias falsas das verdadeiras.

A agência Reuters destacou que foi a primeira iniciativa da empresa neste sentido, para lidar com essa onda de violência.

A Índia é o país com maior número de usuários do WhatsApp, chegando a 200 milhões deles.


*Bahia.Ba

Nenhum comentário