Novidades

Dezessete PMs são indiciados pelo desaparecimento de Davi Fiúza

Dezessete policiais militares foram indiciados no inquérito da Polícia Civil que investigou o desaparecimento de Davi Fiúza, de 16 anos, em outubro de 2014, após uma abordagem em Salvador. O advogado da família da vítima, Paulo Kleber Filho, divulgou a informação à reportagem TV Bahia nesta terça-feira (7).

Procurada pelo bahia.ba, a Polícia Civil prometeu se manifestar através de nota.

Entre os indiciados, estão dois tenentes, dois sargentos, e 13 homens que eram alunos da Polícia Militar na época do crime. Os dois tenentes e dois sargentos seguiriam em atividade na corporação, ainda que alvos da investigação. Os envolvidos devem responder por sequestro, homicídio e ocultação de cadáver.

“O inquérito foi concluído com indiciamentos conclusivos para indiciar 17 policiais militares, sendo dois oficiais tenentes, dois sargentos e 13 alunos PM. A gente não sabe se todos [os alunos] se tornaram aptos a estar nas ruas, mas a gente sabe que todos que estavam instruindo esses alunos participam hoje e estão ativos na polícia. Todos estão prestando serviço de segurança mesmo sendo investigados por esse crime”, afirmou Paulo Kleber Filho durante a entrevista.

O inquérito da investigação foi concluído pela Polícia Civil e entregue ao Ministério Público do estado (MP-BA) no dia 2 de agosto, quase quatro anos após o sumiço do adolescente. Inicialmente, 23 militares tinham sido indiciados. O MP pediu nova apuração à polícia, que, após revisão do inquérito, terminou indiciando 17 policiais pelo crime.

O caso é acompanhando pela ONG Anistia Internacional, que criticou, em nota, a lentidão para conclusão do inquérito. “Policiais militares são os responsáveis pelo desaparecimento de Davi Fiuza. É muito grave que a Polícia Civil tenha sido tão lenta na condução da investigação e que a conclusão do inquérito permaneça em sigilo. Não apenas a família de Davi, mas a sociedade como um todo tem o direito de saber o conteúdo deste inquérito. Diante de tanta morosidade, é urgente que o Ministério Público denuncie os policiais responsáveis pelo desaparecimento de Davi”, afirma Renata Neder, coordenadora de pesquisa da Anistia Internacional Brasil.


*Bahia.Ba

Nenhum comentário