Novidades

Clássico no Barradão contará com 376 policiais militares

O esquema de segurança para o Ba-Vi do próximo domingo, no Barradão, foi apresentado nesta segunda-feira, em reunião realizada no estádio rubro-negro. A Polícia Militar terá um efetivo de 376 policiais, sendo 260 na área interna e 116 na área externa. O número é maior do que o do último clássico, que contou com 307 policiais.

Existe a preocupação do comando da Polícia Militar com a chegada do Bahia ao estádio. No clássico que definiu o título baiano para o Tricolor, o ônibus do clube foi cercado por torcedores rubro-negros e apedrejado. Duas janelas do veículo foram quebradas, e o preparador físico do clube, Valdir Júnior, foi atingido, mas não teve ferimentos graves. Na época, gás de pimenta e balas de borracha foram utilizados para dispersar a confusão. Em 2017, o ônibus do Bahia também foi apedrejado ao chegar no Barradão, mas o incidente não deixou feridos.

Estiveram presentes na reunião membros da BEPE, do Comando de Policiamento Especializado (CPE), Guarda Municipal, TranSalvador e da Federação Bahiana de Futebol, além de representantes do Vitória e de duas torcidas organizadas do clube.

O major Flávio Góes, subcomandante do Batalhão Especializado em Policiamento de Eventos (BEPE), lamentou a ausência de representantes do Bahia na reunião e afirmou que o Tricolor precisa cumprir à risca o plano de segurança para evitar novos episódios de violência.

- Queria lamentar a falta do Bahia na reunião, porque na última partida tivemos problemas com o ônibus. Não foi por falta de reunião, foi apenas por falta de cumprimento daquilo que foi planejado. [...] Seria interessante que algum dirigente do Bahia estivesse aqui. [No último Ba-Vi realizado no Barradão] O ônibus chegou praticamente qiuando a torcida do Vitória estava em grande quantidade em frente ao estádio. Tem que sair de lá sem atraso, e não chegaria aqui atrasado. Eles saíram do hotel às 13h45, quando chegaram aqui já estavam com os torcedores exaltados. É bom que se registre isso na ata: a falta de um preposto do Bahia. Entrar em contato para que pelo menos eles saiam no horário planejado, que é às 13h - pontuou.

Após a publicação da reportagem, a assessoria do Bahia entrou em contato com o GloboEsporte.com e afirmou que um representante não foi enviado à reunião por um problema de comunicação interno. O Tricolor entrou em contato com o major Flávio Góes, que ficou de marcar um novo encontro para ajustar detalhes do esquema de segurança.

Outra preocupação do plano de segurança é com os ânimos dos torcedores por conta da situação do Vitória na tabela de classificação. O Rubro-Negro é o primeiro time fora do Z-4, mas pode voltar para a zona de rebaixamento em caso de empate com gols ou triunfo do Sport sobre o Ceará, na noite desta segunda-feira.

- A PM tem que trabalhar em cima dos riscos. O Vitória tem um risco de rebaixamento. Trabalhamos com essa margem, mas sempre preparados para situações atípicas - declarou o major Flávio Góes.

O Ba-Vi de domingo será o quinto clássico do ano. Apenas um Ba-Vi em 2018 contou com torcedores dos dois times no estádio, jogo realizado em fevereiro. Os outros três clássicos tiveram torcida única. O Ba-Vi deste fim de semana está marcado para 16h (horário local), contará com torcida única e será válido pela 33ª rodada do Campeonato Brasileiro.



*Globo Esporte/Foto: Futebol Bahiano

Nenhum comentário