Novidades

DETONOU: Ivã de Almeida soltou o verbo com Os Fenômenos da Bola - Confira

Todo o momento dramático que o Vitória está passando dentro de campo, com risco iminente de ser rebaixado para a Série B do Campeonato Brasileiro, nada mais é do que o reflexo do que acontece fora dele, nos bastidores, na administração do clube. E a crise dentro da diretoria é algo que já se arrasta por alguns anos, passando por algumas administrações. Uma delas foi na gestão do ex-presidente Ivã de Almeida, que nesta sexta-feira (23), durante entrevista exclusiva a equipe "Fenômenos da Bola", no programa Radar Esportes, da Rádio Transamérica FM (100,1), resolveu, finalmente, falar sobre o motivo que o fez renunciar a presidência do Vitória, ano passado. Segundo ele, “a desunião é o principal problema do clube e não o time”.

Questionado sobre o motivo da sua renúncia, Ivã de Almeida nominou os ex-presidentes do Vitória, Alex Portela, Paulo Carneiro e Ademar Lemos como sendo um grupo unido responsável por desestabilizar o clube para conseguir voltar ao poder a qualquer custo. Segundo ele, os mesmos trabalharam ativamente na pressão para que ele renunciasse, e que após a eleição de Ricardo David, o mesmo grupo fez reunião no dia seguinte em um edifício comercial em Salvador para iniciar a estratégia de desestabilizar o Vitória, para tirar Ricardo David do poder. “Paulo Carneiro e Alexi Portela são dois abestalhados", afirmou.

Ele ainda fez duras críticas a gestão de Paulo Carneiro. "Na gestão dele as catracas do Barradão eram viciadas e rendiam de 60 a 100 mil por jogo. Paulo é um babaca. Ele acha que entende. Ele não entende nada de gestão de futebol. Ele entende de time. Ele acha q tudo se resolve na porrada, não estuda, não tem inteligência. Sem falar do 'Sou mais Vitória' que não tinha controle nenhum”, opinou.

Ivã de Almeida revelou ainda que logo no início da sua gestão, sabendo da proximidade dele com Sinval Vieira, Ademar Lemos chantageou Sinval Vieira com uma situação particular do mesmo, para que retirasse seu assistente Jorginho Sampaio, buscando já interferir na gestão desde aquele momento.

"Ademar chantageava Sinval e ameaçava ele, colocando Jorginho Sampaio nas costas de Sinval. Impôs Jorginho dentro do Vitória e disse: - Se tirar Jorginho, eu f*** tudo".

Sobre as comissões pagas nas contratações do ano passado, o ex-cartola do Vitória caracterizou Sinval Vieira como criterioso nas negociações, mas, afirmou que na época de Petkovic quase todos os jogadores chegaram ao clube sem pagamento de comissão e que era bem diferente na época de Sinval Vieira.

Em relação às despesas ocorridas por conta do clube para integrantes do conselho deliberativo em bares de hotéis onde o Vitória se hospedava, o mesmo afirmou que era difícil controlar tudo e que não chegou ao conhecimento dele qualquer despesa paga pelo clube nos bares.

Perguntado sobre a renovação de contrato do jogador Euller que teria passado de 8 mil para 42 mil reais, sem prorrogação do prazo, o mesmo informou que não lembrava do contrato.

Ivã também falou sobre o conselho deliberativo e fiscal do clube, que os mesmo não sabiam nem a função deles, e que tentavam garantir a governança pedindo documentação, mas, passavam esses documentos para servir de munição para oposição, desestabilizando o clube.

O ex-presidente disse ainda que sua renúncia foi a maior prova de amor ao clube, que ele abriu mão de continuar como presidente pelo bem o Esporte Clube Vitória, com objetivo de acabar com falta de união e levar a instituição a um melhor patamar de competitividade. “Não teve nada de irregular na contabilidade da minha gestão”, fez questão de destacar durante toda a entrevista.


*Radar da Bahia

Nenhum comentário