Novidades

 


Medidas restritivas na Bahia começam nesta sexta-feira; confira regras



Começam a valer nesta sexta-feira (26) as medidas restritivas decretadas pelo governador da Bahia Rui Costa e pelo prefeito de Salvador Bruno Reis ontem (25). Elas iniciam às 17h de hoje e duram até as 5h de segunda-feira (1º). O decreto suspende atividades não essenciais no estado até o início da próxima semana. São consideradas atividades essenciais todas as relacionadas à saúde pública e alimentação.

As regras determinadas para hoje (26) são:

- Bares e restaurantes com atendimento presencial devem fechar às 18h;

- Shoppings, galerias e demais centros comerciais, às 19h;

- Os estabelecimentos devem encerrar as suas atividades com 30 minutos de antecedência para garantir o deslocamento de seus funcionários às suas residências;

- Serviços de delivery poderão funcionar até meia-noite;

- Mercados e padarias até as 20h;

- Feiras livres estão autorizadas a funcionar, desde que em local aberto e com distanciamento entre barracas;

- A venda de bebidas alcoólicas está proibida a partir das 18h, inclusive em supermercados e por delivery;

- A circulação de pessoas das 20h às 5h de hoje (26) a segunda (1º) está restrita. Há exceção apenas por motivos de saúde ou de urgência comprovada.

- Podem funcionar normalmente os terminais rodoviários, metroviários, aquaviários e aeroviários; os serviços de limpeza pública e manutenção urbana; delivery de farmácia e atividades profissionais de transporte de privado de passageiros.

- Os ônibus metropolitanos e o metrô devem encerrar as suas operações das 20h30 às 5h de hoje (26) a segunda (1º);

- Os ferry-boats e lanchinhas funcionam até as 20h30 de hoje (26) e só retornam na segunda-feira (1º) às 5h;

- Estão autorizados os serviços necessários ao funcionamento de indústrias, do setor eletro energético e dos centros de distribuição, bem como o deslocamento dos seus trabalhadores;

- Estão suspensos, por sete dias a partir de hoje (26), os procedimentos cirúrgicos eletivos não urgentes ou emergenciais, nas unidades de saúde públicas e privadas de todo o estado.



*Metro1 

Nenhum comentário