Novidades

 


Professores que não trabalharem na volta às aulas não serão remunerados


Com a resistência dos professores à volta às aulas determinada para o dia 26 de julho, pelo governador Rui Costa (PT), o gestor afirmou que os professores que não retornarem ao trabalho semipresencial não serão remunerados pelos dias não trabalhados. O anúncio foi feito na manhã desta quarta-feira (14).

De acordo com o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado da Bahia (APLB), Rui Oliveira, a categoria foi pega de surpresa com a decisão do governo e que ela foi tomada de forma unilateral. Ainda de acordo com ele, os professores definiram que só voltariam às salas de aula quando todos tiverem completado o calendário vacinal, ou seja, tomando as duas doses da vacina.

O governador, contudo, reafirmou que as aulas semipresenciais serão retomadas em 26 de julho e acrescentou que os servidores que não cumprirem a carga horária definida será penalizado com a não remuneração, como qualquer trabalhador que falte ao posto de trabalho.

Sob determinação do petista, as aulas voltariam de forma híbrida, ou seja, parte virtual e outra parte presencial. Além disso, os alunos não iriam participar presencialmente em todos os dias da semana.

De acordo com Rui Costa, muitos professores já receberam a segunda dose da vacina e a categoria reuniu condições que outras não tiveram, que é retornar aos trabalhos com pelo menos a primeira dose do imunizante.

“É preciso ter sensibilidade e prioridade com a educação. Então dia 26 as aulas retornam e a partir daí será contabilizada as presenças para, evidentemente, implicar na remuneração dos professores que serão remunerados pelos dias que derem aula. Assim como todo trabalhador é remunerado com os dias que comparece ao seu trabalho”, disse o governador.

“Se você faltar [o trabalho] dias seguidos e não justificar, você não receberá o salário e eventualmente poderá ser demitido. No caso do servidor público, ele precisa faltar 30 dias seguidos para eventualmente responder um processo administrativo por abandono de emprego e não ter mais o seu emprego”, completou.




*Varela Net

Nenhum comentário