Novidades

 


Estudos apontam que Ômicron é menos agressiva por "poupar" os pulmões


Em estudos com ratos e hamsters, a Ômicron produziu infecções menos graves, muitas vezes limitadas às vias respiratórias superiores: nariz, garganta e traqueia. A variante causou muito menos danos aos pulmões, onde as variantes anteriores costumavam causar cicatrizes e sérias dificuldades respiratórias.

"É preciso dizer que a ideia de uma doença que se manifesta principalmente no sistema respiratório superior está surgindo", afirmou Roland Eils, biólogo computacional do Instituto de Saúde de Berlim, que estudou como os coronavírus infectam as vias aéreas. A informação foi divulgada pelo jornal O Globo.

No mês passado, mais de uma dúzia de grupos de pesquisa, incluindo o de Gupta, observaram o novo patógeno em laboratório, infectando células em placas de Petri com Ômicron e espalhando o vírus no nariz dos animais. Enquanto trabalhavam, a Ômicron se espalhou pelo planeta, infectando prontamente até mesmo pessoas que foram vacinadas ou se recuperaram de infecções.



*Metro1

Nenhum comentário