Novidades


 

 


Ação vai tatuar mulheres com cicatrizes de forma gratuita em Salvador


Márcia descobriu um câncer de mama aos 41 anos. Um baque duro que a paulistana não esperava receber nunca em sua vida. O tratamento foi doloroso, mas ela superou a doença. No entanto, ficaram marcas em seu corpo que a incomodavam e ela nunca escondeu a vontade de mudá-las.

Márcia conseguiu mudar com arte: através da parceria do projeto Studio Gillette Venus com o Tattoo Truck, iniciativa que roda o Brasil fazendo tatuagens em homens e mulheres que querem dar um novo significado às suas cicatrizes. A iniciativa chega a Salvador neste mês de fevereiro e pretende tatuar pelo menos 30 mulheres de forma gratuita entre os dias 4 e 15 de março.

“A cicatriz me incomodava, eu achava feio e não conseguia usar parte de cima do biquíni porque as marcas apareciam muito”, explica Marcia, que tem desenhados dois ramos de flores circulando o seio esquerdo. Era onde as cicatrizes decorrentes da cirurgia de reconstrução da mama estavam. “A tatuagem ressignificou minha vida e minha história, e hoje eu só tenho gratidão”, completa.

O projeto é tocado por Stella e Gabriel Nanni, mãe e filho, que comandam o Tattoo Truck desde 2018, quando iniciaram o projeto em São Paulo - desde então já foram até ao exterior. São mais de dois mil quilômetros percorridos e a distância só não foi maior porque a explosão da pandemia de coronavírus aconteceu quando eles estavam com o seu caminhão na Argentina, logo após passagem no Uruguai.

A ideia deles era explorar outros países da América Latina, mas o sonho acabou adiado. “Sempre nos questionamos como ajudar as pessoas por nossa arte. Começamos a tatuar juntos e, nesse projeto, a gente se encontrou”, revela Stella.

O Tattoo Truck ficará no estacionamento do Salvador Shopping, em Salvador. As mulheres interessadas em participar precisam ser residentes da capital baiana e se inscrever no site oficial da ação até 14 de fevereiro.

É preciso que as mulheres tenham 18 anos completos e, no ato de inscrição, precisam que a região a ser tatuada esteja cicatrizada há pelo menos 1 ano. Por fim, e não menos importante, é obrigatório que as futuras tatuadas estejam com o ciclo de vacinação completo contra a covid-19 e comprovar isso.

Diretora de Marketing da Gillette Venus, Carolina Shih explica que a escolha de Salvador para ser a primeira cidade nordestina a receber o projeto foi proposital. Ela conta que a ideia do Studio é chegar a lugares com muitas pessoas e, assim, conseguir ressignificar histórias e contribuir para a valorização da autoestima de mulheres brasileira.

“O nosso maior desejo é que todas as mulheres se sintam cada vez mais confortáveis na sua própria pele e felizes consigo mesmas. Gillette Venus acredita na celebração da pele como agente transformador na vida e na autoestima das mulheres brasileiras”, afirma;

Ainda segundo a diretora, muitas histórias difíceis vividas por essas mulheres puderam ser contempladas com uma oportunidade de recomeçar e de se ver de uma maneira diferente. Agora, é a vez da Bahia.




*Correio da Bahia

Nenhum comentário