Novidades

 


Número de prisões por furtos de alimentos na Bahia, dobra nos últimos cinco anos


Um Levantamento divulgado pela Defensoria Pública da Bahia (DP-BA) aponta que o número de prisões relacionadas a furto de alimentos e produtos de higiene no estado dobrou nos últimos cinco anos. De 2017 a 2021, se comparado ao número de furtos gerais, os furtos de alimentos motivados pela fome subiram de 11,5% para 20,25%. No período, foram registrados 287 casos de furtos para obter alimentos e saciar a fome.

Dos 287 casos, 25 foram mantidas em cárcere pela Justiça, mas as demais pessoas tiveram as prisões flexibilizadas para responder em liberdade ao processo. Em 2019, a Defensoria da Bahia conseguiu na Justiça a absolvição de duas jovens que haviam furtado miojo, desodorante e pastilhas invocando o princípio legal da insignificância (ou princípio da bagatela).

Outro número que quase dobrou, de 2018 para 2020, foi o de pessoas passando fome. Um estudo divulgado pela Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar, mostrou que a insegurança alimentar grave afetou 9% da população em 2020 – 19 milhões de brasileiros. Em 2018, eram 10,3 milhões.

Como não conseguem encontrar trabalho, o desespero faz com que muitas dessas pessoas “apostem” a sua liberdade aventurando conseguir os itens de que precisam, normalmente em grandes supermercados. O paradoxo desse comportamento é que, se pegos em flagrante, a estigmatização da prisão acaba fechando ainda mais as portas.




*Metro1

Nenhum comentário