Novidades

 


Praias entre Rio Vermelho e Farol da Barra estão impróprias para banho


Durante toda esta quarta-feira (9) as praias entre Rio Vermelho e Barra estão impróprias para banho. Depois de uma interrupção do fornecimento de energia por parte da Coelba, que realizou obras de melhoria na rede elétrica na Vasco da Gama, a Empresa Baiana de Águas e Saneamento (Embasa) recomendou que os banhistas evitassem tomar banho no mar devido à necessidade do equipamento bombear efluente para o emissário submarino do Rio Vermelho.

“Com relação ao banho na faixa de praias entre Rio Vermelho e Barra, a Embasa fez recomendação de caráter preventivo com base no monitoramento de qualidade do mar, onde foi verificado que 24 horas é um período adequado para dissipação do efluente por conta do movimento das marés”, disse em comunicado a Embasa. A obra de condicionamento prévio (ECP) no Lucaia voltou a funcionar ontem (08) após a conclusão de obras de melhoria na rede elétrica.

Conforme ainda a empresa, técnicos do laboratório central da Embasa, que vêm monitorando a qualidade da água do mar na faixa de praias entre o Rio Vermelho e o Farol da Barra desde o último dia 09/02, iniciaram a coleta e análise diária de amostras no dia da parada e vão continuar esse trabalho até que o resultado das análises volte a apontar parâmetros de qualidade iguais ou melhores aos verificados antes do último dia 07/03.

“Cumprimos com todas as medidas para a redução do impacto e dos transtornos gerados pela parada da ECP e nossos técnicos continuam monitorando os impactos gerados pela parada da ECP de forma a apresentar todos os resultados e evidências ao Inema [Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos] e aos órgãos fiscalizadores do município”, explicou a gerente regional da Embasa Manuella Andrade.

A estação do Lucaia integra o Sistema de Disposição Oceânica (SDO) do Lucaia e cumpre a função de retirar sólidos grossos, fibras e partículas finas de cerca de 73% do esgoto coletado na capital baiana. Do seu funcionamento depende a destinação adequada de efluente pelo emissário submarino do Rio Vermelho, tubulação subaquática com quase 3 quilômetros de extensão que dispersa esgoto condicionado a uma profundidade de 27 metros, sem risco de degradação ambiental da flora e fauna marítimos. O SDO do Rio Vermelho tem licença do Ibama para lançar efluentes no oceano.



*Tribuna da Bahia

Nenhum comentário