Novidades

 


Salvador vive 'descontrole epidemiológico', diz Léo Prates sobre covid


Salvador está vivendo uma aceleração da pandemia da covid-19 de novo. A informação foi confirmada pelo secretário municipal da Saúde (SMS), Léo Prates, que chamou a situação atual de "descontrole epidemiológico".

"Pelo fator RT, já estamos numa fase de descontrole epidemiológico. Estamos com RT acima de 1, e é a primeira vez depois de muito tempo que nosso fator RT passa de 1. Isso significa que a doença está em aceleração", disse o secretário. O índice está em 1,1, o que significa que cada uma pessoa infectada pode transmitir para mais de uma.

O secretário alertou que o cenário também é provocado pelas pessoas que não completaram o ciclo vacinal. "É um fator preocupante. A doença em aceleração pode ser um problema gerado pela população. 411 mil não foram tomar sua terceira dose e mais de 200 mil que não tomaram a segunda dose", diz.

Ainda de acordo com o secretário, a perspectiva é de que as coisas piorem até o final do mês. "A expectativa de todo Brasil, de outros estados, é de uma aceleração da pandemia no final de janeiro, principalmente com a ômicron", disse.

Ele diz que há possibilidade de remobilizar todos os leitos do Hospital da Família, mas espera que não seja necessário. O secretário fez um apelo para que as pessoas continuem usando máscaras e completem o ciclo vacinal, inclusive as doses de reforço.

O temor é que com a aceleração dos casos, o número de quadro graves e mortes volte a subir. "A gente pode ter um nível de agravamento e óbitos que nunca tivemos, porque nosso buraco de vacinação nunca esteve tão grande", explicou o secretário.


Leitos pediátricos
Leo Prates explicou ainda que SMS fez um reforço na equipe que cuida da alta hospitalar de crianças, o que contribuiu para reduzir a taxa de ocupação, que chegou a 100% na última segunda-feira (3).

"Chegou a atingir 100% de ocupação, mas a gente deu uma reforçada na equipe de giro de leitos, para que a criança que tem condição de alta, não demore tanto para ter alta. Nessa época, isso faz diferença. Aí conseguimos baixar para 85%".




*Correio da Bahia

Nenhum comentário